Candidata a vereadora Cláudia Batista realiza reunião com mulheres




Para confirmar a aceitação popular, Cláudia Batista promoveu um grande encontro com lideranças femininas de Imperatriz, que apoiam a campanha da candidata.

O “Encontro com Elas”, aconteceu às 19h, de sexta-feira (23), no bairro Nova Imperatriz e contou com a presença de aproximadamente cento e setenta mulheres, incluindo autoridades locais.

Durante a cerimônia as mulheres que compareceram reforçam o apoio e compromisso com Cláudia Batista, 14 .777, que foi bastante aplaudida pelo público presente enquanto discursava.


Compartilhar:

Cláudia Batista ganha força e avança rumo a vitória para vereadora em Imperatriz


 

Irmã Cláudia Batista, como é conhecida na cidade de Imperatriz, É destaque no cenário político atual e é um forte nome a ocupar uma das 21 vagas para vereador na Câmara Municipal de Imperatriz em 2021.

Cláudia Batista, tem história no social de Imperatriz, Há vinte anos ela cuida de um Projeto Social denominado “Amigos do Bem” onde ajuda crianças em situação de vulnerabilidade.

Essa é a segunda vez que Cláudia Batista concorre a uma vaga na Câmara Municipal. A primeira vez que disputou foi em 2016, obtendo um mil e noventa e oito votos, ficando como suplente.

Os anos se passaram e ela é candidata novamente sendo uma das candidatas que mais cresce nas pesquisas populares. Por ser uma pessoa correta e ter um excelente serviço prestado, conquista a confiança do seu eleitorado e segue firme no propósito de trabalhar por uma cidade justa e boa para todos.

“A aceitação do meu nome é muito gratificante. Tenho orgulho da cidade que me acolheu e vou lutar por ela, por isso estou disponibilizando meu nome Cláudia Batista 14.777. Uma mulher preparada faz a diferença”, finaliza.




Compartilhar:

A importância de conhecer o Selo Procel e a etiqueta de eficiência energética dos eletrodomésticos

 

Todas as dicas de economia de energia são válidas para quem busca um respiro no orçamento no fim do mês. E escolher bem os eletrodomésticos para a casa é uma das principais recomendações, especialmente se queremos utilizar energia com consciência e poupar na fatura de luz. Mas existe uma questão fundamental que deve ser considerada na hora da compra, que vai muito além da estética, preço, funcionalidade e marca: a eficiência energética do produto. E essa informação consta na classificação energética do aparelho e do Selo Procel de Eficiência Energética.

 

O que é o Selo Procel e a etiqueta de eficiência energética (INMETRO)?

Em primeiro lugar, o Selo Procel e a etiqueta de eficiência energética são ferramentas de apoio aos consumidores, para que tenham acesso a informação sobre os produtos e seu consumo de energia. A etiqueta apresenta aos consumidores a classificação conforme a eficiência energética dos aparelhos, já o Selo Procel reconhece os aparelhos mais eficientes em cada categoria, em geral os classificados como "A" na etiquetagem.

 

Para a maioria dos aparelhos, como geladeiras, fogões e aparelhos de ar-condicionado, as categorias vão de A até E, sendo a letra “A” a indicação do aparelho mais econômico. Essas marcações são definidas pelo desempenho dos produtos. Já para lâmpadas, pela enorme variação do nível de eficiência, a categoria vai até G.

 

O líder de operações do PEE, Edmilson Santos, explica que através da etiqueta é possível comparar a eficiência energética entre os equipamentos e tomar uma decisão de compra adequada.  “Por exemplo, você precisa comprar uma geladeira de uma porta e encontra uma com o preço acessível, etiquetada com a classificação ‘C’, com consumo mensal de 46 kWh/mês. Porém, existe outra um pouco mais cara, com as mesmas caraterísticas e com a classificação ‘A’ e Selo Procel com consumo de 21,9 kWh/mês. O aparelho mais barato, nem sempre vai determinar a economia, pois representará um maior consumo no final do mês. Nesse exemplo, o cliente poderá fazer a escolha certa e poderá economizar 54% no final do mês com a conta de energia, o que pode representar muito se levar em consideração a vida útil do equipamento”, conclui.

 

 

Interpretação

Cada linha de eletrodoméstico possui sua própria etiqueta, mudando de acordo com as características técnicas de cada produto. Porém, existem elementos que são comuns a todas as categorias etiquetadas:

  1. Tipo de Equipamento;
  2. Nome do Fabricante;
  3. Marca comercial ou logomarca
  4. Indicação do modelo
  5. Indicação da eficiência energética do equipamento
  6. Indicação do consumo de energia, em kWh/mês
  7. Informações adicionais sobre o produto;
  8. Assinatura do INMETRO e parceiros

 




 

 

Compartilhar:

Cuidado e atenção no trânsito: acidentes com quebra de postes causam transtornos no Maranhão

 No sul do estado, já foram registradas 316 ocorrências nos primeiros meses de 2020




Mesmo com a recomendação dos órgãos de saúde para restrição de circulação e distanciamento social, os acidentes de trânsito com quebra de postes da rede elétrica têm sido recorrentes em todo o Estado. Ocorrências deste tipo afetam tanto o condutor e ocupantes do veículo, quanto as unidades consumidoras próximas ao local do incidente, que têm o fornecimento de energia interrompido. 

 

Registros da Equatorial Maranhão mostram que, em 2019 foram registradas mais de 2.242 ocorrências de acidentes com quebra de postes no estado. De janeiro a agosto de 2020, já foram registradas 933 ocorrências desta natureza. Na região sul do estado, a quantidade de ocorrências este ano chega a 316, sendo 50 só no município de Balsas. 

 

De acordo com os órgãos de trânsito, estes acidentes geralmente ocorrem durante a madrugada ou finais de semana e são provocados por excesso de velocidade, estado de embriaguez, sonolência do condutor ou falhas mecânicas por falta de manutenção dos veículos. Outra causa frequente é a falta de atenção dos motoristas, como por exemplo, o uso do celular ao volante. 

                                                                              

Segundo o Gerente de Obras e Manutenção da Equatorial Maranhão, Saulo Ferreira, “os transtornos causados por esse tipo de acidente são grandes, principalmente o desconforto pela falta da energia elétrica, sobretudo em áreas onde tem imóveis que prestam serviços essenciais, como postos de saúde, delegacias, clínicas, lotéricas e para as pessoas que moram na área desse acidente; além de trazer consequências para o condutor do veículo, os eventuais passageiros e seus familiares”, destaca Saulo. 

 

Este tipo de ocorrência pode tomar grandes proporções afetando, além de hospitais, outros serviços que são essenciais ao enfrentamento da pandemia causada pelo coronavírus, como o abastecimento de água, farmácias, unidades policiais e corpo de bombeiros. No último sábado (22) um caminhão tombou na Avenida São Luís Rei de França, em São Luís, danificando dois postes da rede de energia elétrica. 

 

Para evitar possíveis danos à população e à rede elétrica, a distribuidora de energia trabalha instalando defensas (elementos de concreto na frente dos postes) nos pontos com maior registro de ocorrências, dificultando a queda do poste sobre o carro. Porém, para que o número de acidentes pare de crescer, o esforço de prevenção deve partir principalmente dos condutores de veículos. Respeitar os limites de velocidade, não dirigir sob efeito de bebida alcóolica e não utilizar o celular ao volante são regras que, quando cumpridas, resguardam a vida do motorista, dos passageiros e da população de modo geral. 

  

Fique ligado! 

Em caso de ocorrências dessa natureza, a Equatorial Maranhão ressalta que a população entre em contato por meio da Central 116 e informe o local com ponto de referência, e que ligue também para o SAMU (192). A orientação é que as pessoas não se aproximem de fios e cabos e que não toquem em pessoas ou objetos que estejam em contato com a rede elétrica. Nos casos em que a estrutura do poste caia sobre o carro, a orientação é que a vítima não saia de dentro do veículo até a chegada das equipes da Equatorial, que irão isolar a área e desligar a energia com segurança para todos. 




Compartilhar:

Alerta para acidentes com cercas elétricas

 



Quando se fala em energia elétrica, os cuidados devem ser frequentes, tanto dentro de casa quanto em outros ambientes. Sobre as cercas elétricas, por exemplo, utensílio bastante utilizado para proporcionar segurança nas residências, propriedades e estabelecimentos comerciais, é preciso ter atenção e cuidados, pois se não for bem instalada e não seguir os padrões técnicos e de segurança, pode colocar em risco a vida de várias pessoas. Pensando em ajudar a combater esse problema, a Equatorial Maranhão orienta como proceder nessas situações e evitar acidentes com energia elétrica: 

   

1 - A recomendação principal é jamais fazer esse tipo de instalação improvisada. Procure uma empresa especializada que faça esse serviço para assegurar que tudo seja feito seguindo aos critérios técnicos essenciais para o funcionamento seguro, com material de qualidade e certificações necessárias.  

   

2 – Cercas eletrificadas irregularmente de forma a colocar em risco a vida de pessoas e animais é crime e o proprietário pode responder em caso de ocorrência de acidentes. 

     

3 - Em casos de curto circuito, não tente resolver sozinho, pois o risco de levar uma descarga elétrica é muito grande. O melhor a se fazer é chamar a empresa especializada para a manutenção da cerca elétrica; Em casos de pipas, galhos ou outros objetos que possam enroscar na cerca não tente tirar com a cerca ligada.  

   

4 – Caso algum objeto caia sobre a cerca, a recomendação é desligar antes de retirar o objeto. 

   

5- Redobre a atenção com as crianças em casa, que costumam criar brincadeiras e utilizar objetos que não são brinquedos. Importante sempre observar o que elas estão fazendo, especialmente se utilizarem objetos capazes de alcançar a cerca elétrica.  Crianças são sempre curiosas e, devido elas ficarem mais tempo em casa, podem colocar objetos metálicos ou que conduzam eletricidade em contato com a cerca elétrica. 

 

6 – As cercas elétricas devem ser devidamente sinalizadas para evitar o toque acidental de pessoas desavisadas. Nunca devem ser instaladas em altura inferior a 2 metros e meio (2,5 m).  

  


Cercas elétricas clandestinas   

 

Cercas elétricas improvisadas são as causas de muitos acidentes com energia elétrica. Portanto, não instale nem contrate ninguém para instalar (estender), arame farpado ou liso para servir como cerca elétrica, ligando diretamente na rede elétrica da sua casa ou em qualquer fonte de energia elétrica. Jamais faça ligações diretas da tomada para eletrificar qualquer cerca. Contrate empresas especializadas e devidamente credenciadas para instalar cercas elétricas, dentro dos padrões técnicos de segurança. Fazer e instalar esse tipo de cerca é um ato criminoso, portanto, em casos como estes, denuncie imediatamente na Central 116 e para a polícia. 

 

A Equatorial Maranhão orienta ainda, que em caso de acidentes, não se deve tentar tocar na pessoa que está recebendo a carga. A melhor forma de ajudar é desligar o disjuntor ou chave geral e ligar imediatamente para emergência no 193 ou 192.

Compartilhar:

Parceria entre Suzano, Fundação Vale e Plataforma Parceiros pela Amazônia apoia comunidades do bioma amazônico para a confecção e distribuição de 498 mil máscaras

 Iniciativa conta com recursos da PPA Solidariedade para contribuir com a renda de costureiras e artesãs de comunidades no Maranhão e interior do Pará 



Uma parceria firmada entre Suzano e Vale permitirá a ampliação do projeto Máscara + Renda, iniciativa da Fundação Vale e da Rede Asta que já está gerando renda para mais de mil costureiras e artesãs de todo o Brasil e viabilizando a doação de máscaras de tecido para quem mais precisa. Com apoio da Plataforma Parceiros da Amazônia (PPA) a iniciativa beneficiará mais 332 mulheres nos estados do Pará e Maranhão a partir de setembro. As mulheres selecionadas poderão receber até R$ 900 por três meses para produzir e doar 498 mil máscaras de proteção contra a covid-19.  
A ampliação foi possível a partir da seleção do projeto em um edital de fomento da 
PPA, da qual Suzano e Vale são membros. A plataforma destinará, por meio da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), mais R$ 1,8 milhões à iniciativa. O objetivo do Máscara + Renda é contribuir para a geração de renda mulheres de diferentes regiões do Brasil, bem como auxiliar no combate à propagação da covid-19.  
A Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, está ampliando sua rede de apoio a 100 costureiras e artesãs de comunidades do Maranhão e do interior do Pará, que serão responsáveis pela produção de 150 mil máscaras de tecido em parceria com outras instituições. No início da pandemia, a companhia já havia contatado 61 costureiras dessas regiões, entre quebradeiras de coco, apicultoras e extrativistas de açaí, para um projeto próprio de confecção de aproximadamente 31.680 máscaras.  
A atuação da Suzano no projeto está no mapeamento e seleção das costureiras e artesãs das comunidades onde atua no Maranhão e no interior do Pará. Elas ficarão responsáveis por desenvolver as máscaras que serão destinadas a organizações sociais sugeridas pelas próprias costureiras para serem distribuídas gratuitamente em comunidades altamente vulneráveis comunidades altamente vulneráveis, incluindo indígenas e quebradeiras de coco. 
“Essa parceria vem ao encontro do nosso objetivo de dar continuidade ao desenvolvimento das comunidades nas quais atuamos, possibilitando ampliar a geração de renda à medida que garantimos mais segurança e proteção à sociedade por meio de medidas preventivas, como o uso das máscaras”, diz Ana Paula Pulito, coordenadora de Desenvolvimento Social da Suzano. “A iniciativa possibilitará aumentar expressivamente a renda dessas mulheres”, acrescenta. 
A executiva lembra ainda que, no projeto próprio da Suzano, realizado no início da pandemia, a companhia adquiriu mais de 125 mil máscaras de tecido de 174 costureiras e artesãos mapeados. “Somando todos os estados com atuação da Suzano, conseguimos beneficiar cerca de 55 mil pessoas, sendo 39,2 mil colaboradores e familiares, 3,8 mil caminhoneiros, 1,6 mil integrantes de projetos sociais apoiados pela empresa e 10,7 mil pessoas de grupos considerados estratégicos”, explica. 
“Para todos, a máscara é prevenção. Para elas, é também fonte de renda, de autonomia e de liberdade. O Máscara + Renda está alinhado aos programas de empreendedorismo da Fundação Vale, que criam alternativas sustentáveis de trabalho e inclusão produtiva para a geração de renda, com especial atenção para empreendimentos liderados por mulheres”, afirma Pâmella De-Cnop, gerente da Fundação Vale.  
“O propósito da parceria PPA Solidariedade é apoiar as comunidades amazônicas para possam se manter seguras durante a pandemia, e ajudar os negócios a se recuperarem. A PPA está orgulhosa da resposta rápida de seus parceiros”, diz Augusto Corrêa, Secretário Executivo da PPA. 

Sobre o Máscara + Renda 


O Máscara + Renda é uma realização da Fundação Vale e da Rede Asta, em parceria com a canadense Wheaton Precious Metals. O projeto contou com um investimento inicial de R$ 5,5 milhões da Fundação Vale e da Wheaton Precious Metals e está sendo ampliado com a adesão de novos parceiros. Por meio da articulação com outras empresas e construção de uma Rede de Investidores Sociais, a meta do projeto é alcançar a marca de R$ 11 milhões, 3 milhões de máscaras produzidas e duas mil mulheres beneficiadas. 
São coparceiros da iniciativa Microsoft, Petrobras, Eletrobras, Komatsu, Trafigura Foundation, Della Volpe, Klabin, VIX Logística, EDF Norte Fluminense e SAP. O Máscara + Renda conta, ainda, com o apoio dos parceiros mobilizadores: Vale, Coletivo COVID Radar, Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), Câmara de Comércio França Brasil, Deloitte, Instituto Acende Brasil, Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Firjan, Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), Sindicato das Indústrias Minerais do Estado do Pará (Simineral) e Women in Mining Brasil. 

Sobre a Suzano 


A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de árvores, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas. 

Sobre a Fundação Vale   


Fundada há 52 anos, a Fundação Vale apoia e fortalece políticas públicas de educação, saúde e geração de renda, e fomenta negócios sociais nos territórios de atuação da Vale. A partir do diálogo e da imersão nos territórios, desenvolve e executa projetos sociais voluntários que visam à melhoria da qualidade de vida e fortalecem o acesso das comunidades aos seus direitos e serviços públicos essenciais. Para mais informações sobre o Máscara + Renda, acesse www.mascaramaisrenda.com.br

Sobre a Rede Asta 


A Rede Asta é uma organização social que existe há 15 anos. Hoje, é uma empresa B Lab certificada com a missão de gerar renda para artesãs e costureiras do Brasil, sempre trazendo visibilidade, conhecimento e empoderamento financeiro. No início da pandemia, a Rede Asta lançou o localizador de máscaras, ferramenta online em que pessoas físicas compram direto das artesãs ecostureiras que estão produzindo em casa. 

PPA Solidariedade 


USAID, NPI Expand, a Plataforma Parceiros pela Amazônia (PPA) e a SITAWI Finanças do Bem se uniram para criar uma parceria para ajudar a combater a COVID-19 no Brasil. A “PPA Solidariedade: Resposta à COVID-19 na Amazônia é uma iniciativa que engaja o setor privado em parcerias estratégicas para alavancar soluções inovadoras e escaláveis para fortalecer a resposta rápida a emergências e ao combate a COVID-19. A iniciativa irá trabalhar com parceiros da sociedade civil e do setor privado em quatro linhas de ação: Mobilizar campanhas de comunicação sobre os riscos e o engajamento das comunidades em medidas de mitigação e proteção para enfrentar a COVID-19 e capacitar as comunidades vulneráveis e/ou isoladas para proteger-se contra a exposição e transmissão da COVID-19; Promover medidas de prevenção e controle de infecções pela COVID-19 em instalações de saúde e nas comunidades; Apoiar o sistema de saúde local (hospitais, postos de saúde e unidades/serviços de saúde comunitários) para responder e controlar a COVID-19 por meio de serviços de saúde e vigilância; Apoiar empreendedores, pequenos negócios de impacto social e startups, grupos de produtores e cooperativas com pequenos aportes financeiros, serviços de assessoria empresarial e acesso a empréstimos a juros baixos ou microcrédito. 

 


Compartilhar:

Agricultores familiares comemoram resultados positivos nas vendas de agroecológicos por delivery em Imperatriz

 Além de mitigar os impactos da pandemia, “A feira vai até você” se mostrou como importante nicho de negócio para feirantes de Imperatriz (MA) e região 

Na semana em que é celebrado o Dia do Feirante, 25 de agosto, agricultores familiares apoiados pela Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, celebram ótimos resultados nas vendas de cestas agroecológicas por delivery em Imperatriz (MA) e região.  

O sistema de entrega das cestas faz parte da ação “A feira vai até você”, do Programa de Desenvolvimento Rural e Territorial (PDRT) da Suzano, com o objetivo de minimizar os impactos da pandemia do novo coronavírus e garantir a geração de renda às famílias rurais, cuja parcela importante da renda decorria das vendas em feiras livres. 

No mês de julho deste ano, conforme monitoramento da iniciativa foram 1.175 cestas de produtos agroecológicos comercializadas pelo sistema de entrega em domicílio. O volume de cestas corresponde a um incremento de 68% nas vendas em comparação ao mês anterior. Ao todo, foram 8,8 mil toneladas de produtos agroecológicos entregues, o que gerou no mês uma receita bruta estimada em torno de R$ 27 mil reais para as 31 famílias de agricultores mobilizados em 9 comunidades rurais vizinhas à unidade da Suzano no estado do Maranhão. 


Saúde e Meio Ambiente 

A ação “A feira vai até você” também tem colaborado ainda para difundir a importância dos produtos agroecológicos para a saúde e o meio ambiente. Nas comunidades apoiadas pelo Programa de Desenvolvimento Rural e Territorial, os agricultores familiares adotaram os sistemas agroecológicos e agroflorestais para a produção de hortifrútis. Além de abolir o uso de agrotóxicos – as pragas são combatidas com o uso de defensivos naturais, preparados na propriedade -, esses sistemas promovem o manejo sustentável, reduzindo impactos ambientais e colaborando para a recuperação de áreas degradadas.  

No Maranhão, a iniciativa conta com a participação de trinta e um agricultores familiares de nove associações de moradores no município de Imperatriz.  


Feira Cidadã – Apoiados pelos programas sociais da Suzano: Colmeias, PDRT e Extrativismo Sustentável, a companhia tem ampliado a participação desses agricultores nas ações do município de Imperatriz, por meio da Feira Cidadã, que é promovida pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Sedec, e acontece todas as sextas-feiras, das 17h às 22h, nos bairros Bacuri e Santa Inês. Com isso, a população em geral tem acesso a diferentes produtos com preços acessíveis. 

A Coordenadora de Desenvolvimento Social e Meio Ambiente da Suzano, Ana Paula Pulito, explica que a Suzano segue focada no compromisso de contribuir com o fortalecimento de iniciativas comunitárias da região. “Em 2019, nossos projetos apoiaram mais de 10 mil pessoas nos estados do Maranhão, Pará e Tocantins. O nosso objetivo é ver esse número crescer cada vez mais e com programas como o PDRT, proporcionar experiências transformadoras para quem participa dessas iniciativas e vive da agricultura familiar”, finaliza. 

 

Sobre a Suzano 

A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, tem o compromisso de ser referência global no uso sustentável de recursos naturais. Líder mundial na fabricação de celulose de eucalipto e uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina, a companhia exporta para mais de 80 países e, a partir de seus produtos, está presente na vida de mais de 2 bilhões de pessoas. Com operações de dez fábricas, além da joint operation Veracel, possui capacidade instalada de 10,9 milhões de toneladas de celulose de mercado e 1,4 milhão de toneladas de papéis por ano. A Suzano tem mais de 35 mil colaboradores diretos e indiretos e investe há mais de 90 anos em soluções inovadoras a partir do plantio de árvores, as quais permitam a substituição de matérias-primas de origem fóssil por fontes de origem renovável. A companhia possui os mais elevados níveis de Governança Corporativa da B3, no Brasil, e da New York Stock Exchange (NYSE), nos Estados Unidos, mercados onde suas ações são negociadas.



Compartilhar: